Sua Melhor Sitonia

Radio 100.1 FM CARUARU-PE

HORA DO ROCK News

DAS 22:00 as 00:00 COMO MUITO ROCK IN ROLL

O PASSADO E O PRESENTE JUNTOS

AQUI VOCÊ ESCUTA ROCK DE HOJE E DE SEMPRE

EU SOU ROCK IN ROLL

O ROCK NÃO É APENAS UM ESTILO, E SIM UM MEIO DE VIDA

UNIDOS PELOS ROCK IN ROLL

HORA DO ROCK New

radio comunidade

Carregando ...

sexta-feira, 6 de outubro de 2017

The Smiths

The Smiths libera versão demo de 

“I Know It’s Over”



The Smiths revelou nesta sexta-feira (06/10/2017) a versão demo da música “I Know it’s Over” que fará parte da reedição do álbum “The Queen Is Dead”, de  1986.

A nova edição será disponibilizada em CD duplo e em CD/DVD, o material ainda traz como bônus músicas raras e b-sides, e teve todo o áudio remasterizado.

A previsão de lançamento do trabalho é para o dia 20 de outubro. Utilize o player abaixo e ouça “I Know it’s Over”:


“Heaven Upside Down”

Marilyn Manson lança novo álbum “Heaven Upside Down”




O Marilyn Manson disponibilizou nesta sexta-feira (06/10/2017) o seu novo disco, “Heaven Upside Down”, através das plataformas digitais.

Divulgado pela gravadora Loma Vista, esse é o décimo trabalho de estúdio do cantor, desde o seu último CD “The Pale Emperor”, lançado em 2015.

O álbum conta com as faixas “KILL4ME” e “We Know Where You Fucking Live”, que já foram liberadas.

Recentemente, o artista sofreu um acidente durante um show em Nova Iorque, quando se apoiou em uma estrutura que acabou rompendo e caiu sobre ele. Marilyn teve que ser hospitalizado.


Utilize o player abaixo e ouça o novo disco de Marilyn Manson:



Queen libera versões inéditas

Queen libera versões inéditas de “We Will Rock You” e “We Are The Champions”



O Queen liberou nesta sexta-feira (06/10/2017)  versões inéditas dos clássicos “We Will Rock You” e “We Are The Champions”, que fazem parte do disco “News Of The World”, lançado em 1977.

As gravações alternativas integram o box comemorativo de 40 anos do álbum, que será lançado em 17 de novembro.

A nova edição será disponibilizado em um box com LP duplo, 3 CDs e um DVD. Os materiais extras incluem outtakes e raridades inéditas, com destaque para uma versão mais crua do disco intitulada Raw Sessions.

Além de um DVD com o documentário “Queen: The American Dream”, com com uma hora de material gravado durante a tour de promoção do álbum pelos Estados Unidos, em 1977.

Utilize o player abaixo e ouça as versões alternativas de “We Will Rock You” e “We Are The Champions”:




Veja abaixo o tracklist completo:
Original álbum – new pure analogue cut vinyl


Side One
1 We Will Rock You
2 We Are The Champions
3 Sheer Heart Attack
4 All Dead, All Dead
5 Spread Your Wings
6 Fight From The Inside

Side Two
1 Get Down, Make Love
2 Sleeping On The Sidewalk
3 Who Needs You
4 It’s Late
5 My Melancholy Blues

CD 1: The Original Album – Bob Ludwig 2011 master
1 We Will Rock You
2 We Are The Champions
3 Sheer Heart Attack
4 All Dead, All Dead
5 Spread Your Wings
6 Fight From The Inside
7 Get Down, Make Love
8 Sleeping On The Sidewalk
9 Who Needs You
10 It’s Late
11 My Melancholy Blues

CD 2: Raw Sessions
1 We Will Rock You (Alternative Version)
2 We Are The Champions (Alternative Version)
3 Sheer Heart Attack (Original Rough Mix)
4 All Dead, All Dead (Original Rough Mix)
5 Spread Your Wings (Alternative Take)
6 Fight From The Inside (Demo Vocal Version)
7 Get Down, Make Love (Early Take)
8 Sleeping On The Sidewalk (Live in the USA, 1977)
9 Who Needs You (Acoustic Take)
10 It’s Late (Alternative Version)
11 My Melancholy Blues (Original Rough Mix)

CD3: Bonus tracks
1 Feelings Feelings (Take 10, July 1977)
2 We Will Rock You (BBC Session)
3 We Will Rock You (Fast) (BBC Session)
4 Spread Your Wings (BBC Session)
5 It’s Late (BBC Session)
6 My Melancholy Blues (BBC Session)
7 We Will Rock You (Backing Track)
8 We Are The Champions (Backing Track)
9 Spread Your Wings (Instrumental)
10 Fight From The Inside (Instrumental)
11 Get Down, Make Love (Instrumental)
12 It’s Late (USA Radio Edit 1978)
13 Sheer Heart Attack (Live in Paris 1979)
14 We Will Rock You (Live in Tokyo 1982)
15 My Melancholy Blues (Live in Houston 1977)
16 Get Down, Make Love (Live in Montreal 1981)
17 Spread Your Wings (Live in Europe 1979)
18 We Will Rock You (Live at the MK Bowl 1982)
19 We Are The Champions (Live at the MK Bowl 1982)

quarta-feira, 4 de outubro de 2017

Conheça a história de uma das maiores cantoras do Rock, Janis Joplin



Uma das maiores cantoras do Rock,

 Janis Joplin


O rock n’roll é um dos mais antigos estilos músicais e está sempre no topo da lista daqueles que curtem uma boa música. Assim, hoje, vamos falar um pouco sobre a história de um dos maiores ícones do rock, Janis Joplin.

A cantora:


Janis Lyn Joplin, nasceu no dia 19 de janeiro de 1943 em Port Arthur. Foi considerada uma das maiores cantoras de rock, soul e blues dos anos 60. Sua voz era referência na música e sua marca registrada. Ela conquistou seu espaço no cenário artístico quando cantava na banda “Big Brother and The Holding Company”.  Assim que largou seu primeiro grupo, ela teve duas bandas de acompanhamento dos seus shows: “Kozmic Blues” e “Full Tilt Boogie”.

Suas maiores influências do jazz e do blues foram Aretha Franklin, Billie Holiday, Etta James, Tina Turner e Big Mama. Devido a sua curta carreira, Janis lançou apenas quatro álbuns, sendo:  “Big Brother and the Holding Company” de 1967, “Cheap Thrills” de 1968, “I Got Dem Ol’ Kozmic Blues Again Mama” de 1969 e “Pearl” lançado em 1971, sendo seu o último álbum com participação direta da cantora.

O começo de tudo e a carreira de sucesso:


Janis Joplin nasceu no estado do Texas, nos Estado Unidos. Desde do começo ela sofria influência de grandes nomes do jazz e do blues. Além disso, cantava no coral de sua cidade natal. Em 1960, Joplin concluiu o ensino secundário na Jefferson High School, entrando em seguida na Universidade do Texas, na cidade de Austin. Assim, ela deu início aos seus primeiros meses como cantora de blues e folk.

Com uma postura distinta e rebelde, ela adotava um estilo poético da geração beat. No ano de 1963, Janis se mudou para San Francisco. Foi assim que a compositora foi morar no bairro North Beach e passou a trabalhar como cantora folk. Nesta mesma ocasião, Janis intensificou seu uso das drogas e começou a utilizar heroína. Durante toda sua profissão, Janis Joplin consumia muito álcool, no entanto, o abuso com as drogas se tornou algo mais importante que o seu próprio talento. Dessa forma, tanto o lado artístico quanto sua saúde foi sendo prejudicada.

Vendo que sua carreira e sua condição não estavam a mesma coisa, ela decidiu voltar Port Arthur para se recuperar do vício. Em 1966, ela regressou para San Francisco e conheceu a banda “Big Brother and The Holding Company”. Assim, gravou seu primeiro álbum, em 1967. Contudo, o sucesso de Janis estourou após o lançamento do seu segundo disco, em 1968.

No final deste mesmo ano, Janis largou a banda e se juntou ao grupo de apoio Kozmic Blues, com quem participou do famoso festival Woodstock. Com este conjunto, Janis Joplin gravou seu terceiro álbum. Ao se separar da banda, ela formou a “Full Tilt Boogie Band” e como resultado, foi criado o quarto e último disco da compositora, mas lançado apenas seis meses após sua morte.


Janis Joplin no Brasil:


O que poucos sabem é que a cantora veio ao Brasil em 1970 para tentar se livrar do vício da heroína, já que a droga não era vendida no país. Entretanto, o consumo de álcool e as festas brasileiras consumiam Janis. Um dos festivais que mais a agradou foi o carnaval do Rio de Janeiro. Na época ela tinha acabado de lançar seu segundo disco. Nesta ocasião, Joplin havia sido expulsa do Copacabana Palace por nadar nua. Com o temperamento da compositora, ela causou muitas polêmicas e se divertiu na cidade maravilhosa com tudo que desejava.

Morte de Janis:


No dia 3 de outubro de 1970, já nos Estados Unidos, Joplin visitou o estúdio Sunset Sound Recorders, em Los Angeles, na Califórnia para ouvir o instrumental de Nick Gravenite. As gravações do vocal já estavam agendadas para o dia seguinte. No entanto, no dia 4, ela não compareceu ao estúdio, fazendo com que seu empresário fosse ao hotel verificar o que havia ocorrido. Janis Joplin foi encontrada morta, vítima de overdose, ela tinha apenas 27 anos, foi cremada na Califórnia e suas cinzas jogadas no Oceano Pacífico.

Hoje, ela lembrada por sua fantástica voz, por sua dor representada nas composições e pelas suas aventuras durante a vida. Especialistas afirmam que Janis Joplin foi e continua sendo uma das maiores influências do rock psicodélico, trazendo consigo muitos fãs e novos artista para o cenário musical.

terça-feira, 19 de setembro de 2017


Neste dia em 18 de setembro de 1970 (27 anos)
o mundo do Rock perdia um dos moires guitarrista do mundo.
47 anos sem #Jimi_Hendrix
🤘😎       







🤘

quinta-feira, 24 de agosto de 2017

Veja novo clipe do Ghost

Veja novo lyric video do Ghost



O Ghost disponibilizou nesta quinta-feira (24/08/2017), através de seu canal oficial no YouTube, um novo videoclipe para “He Is”.

Essa canção faz parte de “Meliora”, mais recente álbum de estúdio da banda sueca, lançado em agosto de 2015.

O lançamento do clipe rola em meio a revelação da identidade do vocalista conhecido como Papa Emeritus. Tobias Forge assumiu a sua identidade publicamente pela primeira vez desde a criação da banda.

No player abaixo você curte a novidade do Ghost aqui no Blog:



segunda-feira, 21 de agosto de 2017

28 Anos sem Raul Seixas

 28 anos da morte de Raul Seixas 




Raul Santos Seixas (1945-1989) foi um músico, cantor e compositor brasileiro, considerado um dos principais representantes do rock no Brasil. Raul Seixas nasceu em Salvador, Bahia, no dia 28 de junho de 1945. Admirador do Rock and Roll, fundou o primeiro fã clube de Elvis Presley, no Brasil.

sábado, 19 de agosto de 2017

O Rappa", Marcelo Falcão

Marcelo Falcão, vocalista do grupo 

´O Rappa´,

 sofre princípio de infarto



O vocalista do grupo "O Rappa", Marcelo Falcão, está internado no Rio de Janeiro, depois de sofrer um princípio de infarto. Ele passou mal na tarde da última quinta-feira (17/08/2017) e foi levado a um hospital por familiares. Os shows que o grupo realizaria nesta sexta-feira, em Vitória, e amanhã, no Rio, foram cancelados por conta do estado de saúde de Falcão. O Rappa, que já anunciou a separação, está em uma turnê de despedida.

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

40 anos sem Elvis Presley

40 anos sem Elvis. Cantor ainda desperta curiosidade e admiração


Da voz possante ao apreço por armas, tudo em Elvis Presley ainda desperta curiosidade e admiração

Lenda americana que transformou a cultura popular e vendeu mais de um bilhão de discos no mundo, Elvis Presley morreu em 16 de agosto de 1977. Sua voz e estilo únicos combinaram R&B, blues, country, gospel e rock’n’roll, desafiando as barreiras sociais e raciais do seu tempo. E, mesmo 40 anos após a morte, ele permanece como um dos artistas mais completos e rentáveis do mercado.

 

Poty Fontenelle - professor de regência, canto e coral da Universidade Estadual do Ceará (Uece) - explica que o menino nascido no Mississippi conseguiu sedimentar o “conceito de corpo e voz”. Integravam esse conjunto os cortes de cabelo, a roupa característica, os automóveis e, claro, as danças insinuantes.

“Já no fim dos anos 1970, apesar do visível declínio do corpo, a voz dele fica mais aprimorada e passa a servir de modelo de canto. Muita gente tenta ter uma postura vocal idêntica a do Elvis”, explica Poty, que também leciona Coro Cênico na Universidade Federal do Ceará.

Os conservadores ficaram atentos à rebeldia de Elvis e à sua dança provocante com movimentos de quadris e pernas. Ele cruzou a linha racial em um momento em que o fantasma da segregação ainda pairava sobre o sul dos Estados Unidos. “Mais preocupante para muitos brancos foi a forma como ele se apropriou da música afro-americana e a apresentou como dominante”, afirma Ted Harrison, britânico que escreveu duas obras sobre Elvis.

Quando o cantor morreu, aos 42 anos, ama enorme comoção levou milhares de pessoas ao redor da mansão Graceland, a residência do astro no estado de Tennessee. O rock perdia sua primeira grande estrela e o cenário era de calor sufocante, desmaios, gritos. Nas lojas de discos, ao redor do país, pessoas invadiam balcões e arriscavam brigas ferrenhas para garantir os últimos exemplares das prateleiras.

Em apenas um dia foram vendidos 250 mil unidades do álbum Moody Blue, último disco lançado em vida pelo artista. As unidades de produção fonográficas trabalharam dia e noite para alimentar a sede voraz dos fãs.

Apesar de continuar como um produto vendável e um forte influenciador musical - acredita o professor Poty Fonetelle - não é possível dizer que as canções do astro permaneceram sendo ouvidas como as obras de outros artistas. “Eu fico impressionado como os Beatles são cinco ou dez vezes mais presentes do que Elvis”, aponta.

O cantor, no entanto, ainda é considerado o artista mais vendido de todos os tempos e, em 2016, a revista Forbes o classificou no quarto lugar na lista das celebridades falecidas com maior receita, com US$ 27 milhões. Já para Ted Harrison, autor do livro A Morte e Ressurreição de Elvis Presley (inédito no Brasil), o astro é a única pessoa dos tempos modernos que é reconhecida imediatamente pelo primeiro nome. “Você diz ‘Elvis’ em Pequim, Nicarágua, Estônia ou Fiji e todo mundo sabe de quem você está falando, além de todos os idiomas e culturas”, aponta o escritor.

com informações das agências

quarta-feira, 9 de agosto de 2017

DeLorean Rock Band

DeLorean Rock Band



Que tal curtir vários clássicos do Rock n' Roll nacional e internacional? Então chega junto próximo sábado, 12 de agosto, no Bafunga pra curtir junto com o DeLorean Rock Band essa noite que será incrível. Contamos com a sua presença!

sexta-feira, 28 de julho de 2017

Foo Fighters e Gorillaz estarão no Brasil

Foo Fighters e Gorillaz estarão no Brasil em 2018, diz jornal


O Foo Fighters, que lança em setembro seu novo álbum “Concrete and Gold”, e o Gorillaz, que já promove o disco “Humanz”, trarão ao Brasil suas próprias turnês no ano que vem.

As informações são da edição desta sexta-feira (28/07/2017) do Jornal Destak, indicando que os grupos pintariam por aqui no mês de março.

Segundo a publicação, eles não fariam parte do festival Lollapalooza, transformando o terceiro mês do ano de 2018 num dos mais importantes do entretenimento brasileiro.

O Destak lembra que além do Lollapalooza, que tradicionalmente ocorre em março, o Depeche Mode tem show programado para 27/03/2018 no Allianz Parque.
Postagens mais antigas → Página inicial